Como preparar os filhos para o pós-pandemia?

Novos hábitos para os adultos e também para as crianças. Entenda o que precisamos ensinar a elas.

Escrito por HDI Seguros 24/07/2020

Aprender e ensinar os novos hábitos é a forma mais consciente de nos adaptarmos ao “novo normal”. Mesmo com a flexibilização e reabertura parcial dos serviços não-essenciais, os cuidados devem se manter firmes e fortes para que uma nova onda de contágio não aconteça.

O fato de que as crianças estão fora do grupo de risco da COVID-19 não tira nossa responsabilidade de educá-las sobre a doença, suas formas de transmissão e de prevenção. Em primeiro lugar, porque estudos estão sendo feitos a todo momento e não se sabe ao certo como cada corpo se comporta ao entrar em contato com o novo coronavírus.

Outro ponto é que, apesar de ter a possibilidade de apresentarem sintomas leves ou ficarem assintomáticas, as crianças podem acabar transmitindo o vírus para pessoas do seu convívio, que podem desenvolver um quadro mais grave da doença, como idosos e portadores de doenças cardiovasculares, respiratórias, diabetes, entre outras.

Sendo assim, separamos alguns hábitos que devem ser colocados em prática no dia a dia com as crianças para protegê-las e também preservar a saúde de toda a família.

  • Converse!

Explicar o que é o novo coronavírus de forma simplificada, conforme a idade do seu filho, pode ser um ótimo jeito de fazê-lo entender que ele precisa fazer sua parte para que tudo volte a melhorar. Faça-o se sentir importante, como o Homem-Aranha é para a cidade de Nova Iorque ou a princesa para o castelo.

  • Ensine-a a lavar as mãos corretamente.

Além de lavar as mãos várias e várias vezes ao dia, é essencial esfregar da maneira correta. Entre os dedos, na palma, em cima, as unhas, os pulsos… cantar “parabéns para você” duas vezes também é uma dica para deixar o momento da lavagem mais divertido e garantir que toda a sujeira vá embora.

  • Mãos sempre longe do rosto!

Só quem é pai ou mãe sabe o quanto é difícil uma criança não colocar a mão na boca, nos olhos ou no nariz. Policie seu filho sempre que o vir praticando esse hábito, mesmo que ele esteja em casa e com as mãos limpas. Dessa forma, diminuirá o risco de ele fazer isso longe de você, na escola ou na rua.

  • Elas também precisam usar máscara.

Enquanto o uso de máscaras for recomendado, as crianças também estão inclusas neste ato de cuidado com o próximo. Contar uma historinha antes de colocar a máscara, dizer que faz parte do uniforme de um verdadeiro super-herói ou escolher uma estampa que agrade, pode ajudar a convencer seu filho a usar a máscara e mantê-la no rosto quanto tempo for necessário.

  • Invente um novo cumprimento com seu filho.

As crianças não gostam de ficar para trás, elas adoram tudo que é novidade. Então, diga que cumprimentar dando a mão, abraçando ou beijando saiu de moda, e que cumprimentar com os pés é que é sucesso. Mas quando tudo isso passar, não esqueça de avisá-la que a moda de beijar e abraçar muito já voltou, está bem?

  • Tente não transmitir o sentimento de medo.

Apesar dos cuidados serem muitos, e ficarmos receosos de alguém querido ficar doente, é preciso passar segurança e esperança para os pequenos. O medo, a ansiedade e o estresse podem causar traumas de infância e sequelas no comportamento quando mais velhos.

Use a informação como o instrumento principal de proteção para a sua família! #VamoJuntoMesmoÀDistância

Fontes:

https://saude.abril.com.br/medicina/coronavirus-mais-da-metade-dos-brasileiros-esta-em-algum-grupo-de-risco/

https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/April/06/Cartilha–Crian–as-Coronavirus.pdf