IPVA: pagar à vista ou parcelado?

A dúvida sobre a tributação de veículos persiste a cada ano, por isso a HDI listou prós e contras sobre o assunto

Escrito por HDI Seguros 09/01/2019

Quem dirige sabe que o começo de ano é a época do trânsito no litoral, dos corredores vazios nas grandes cidades e da cobrança do IPVA. Mas, para evitar dores de cabeça, organizamos um guia sobre a tributação para esclarecer qualquer aresta sobre pagamentos, descontos e juros.

Antes de tudo, é importante se inteirar sobre como funciona o Imposto sobre Propriedade de Veículo, o popular IPVA. Anualmente, o Estado cobra dos proprietários de carros, caminhões, motocicletas, ônibus e até mesmo aeronaves um valor por posse. Esta quantia, que varia de acordo com cada estado, é destinada para os governos municipal e estadual (divididos em 50% para cada), especialmente, para manutenção de estradas e rodovias.

Apenas os donos de autos antigos, com mais de 20 anos de fabricação, são isentos da contribuição, além de veículos adaptados para pessoas com necessidades especiais, táxis e máquinas agrícolas.

Porém, para os proprietários que necessitam custear a taxa, a questão-chave sobre o IPVA é a escolha do parcelamento. A principal dica fornecida por investidores e especialistas em finanças está atrelada ao ‘custo-oportunidade’, uma vez que o pagamento imediato ou a prazo vai depender, exclusivamente, do capital disponível naquele momento.

Diferentemente do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), que trabalha com variações de acordo com a localização do imóvel e sofre alterações com mudanças no Plano Diretor do município, o IPVA varia apenas de modelo para modelo.

A tarifa trabalha com 3% de desconto à vista e divisão em até três vezes. Neste ano, a novidade é o financiamento através do cartão de crédito, opção que também está disponível para as multas de trânsito. A recomendação para zerar a dívida é que ela só deve ser efetuada se houver capital suficiente, assim todo o esforço não coloca no vermelho o cálculo dos próximos meses.

Se o 13º salário rendeu entre as contas de fim de ano, opte por quitar o IPVA ou deixe reservado para as faturas durante o ano. É importante se atentar que esse tipo de pendência é periódica, ou seja, todo ano ela estará no orçamento dos motoristas. Portanto, para não passar aperto no próximo ano, vá organizando suas finanças para não ser surpreendido no futuro.

Além do mais é fundamental tomar cuidado com atrasos. A moratória varia de entre 0,33% por dia, alcançando um valor máximo de até 20% do total. Sem contar que o não pagamento pode levar o veículo a ser apreendido em uma blitz policial. Fique de olho para evitar qualquer problema!