Já ouviu falar em averbação eletrônica?

Conheça mais sobre como declarar mercadorias transportadas, sua importância para o mercado e como ela funciona

Escrito por HDI Seguros 22/04/2019

Com a internet, todo nosso cotidiano foi modificado. A compra de uma mercadoria, por exemplo, se tornou uma tarefa simples e as operações de e-commerce transformaram a forma como clientes e empresas lidam com o mercado. Porém, nada ficou mais fácil do que a averbação de cargas. Se você não assimilou bem a palavra ou apenas a leitura do termo já foi o suficiente para deixar a cabeça cheia de dúvidas, organizamos um resumo sobre o tema e sua importância para os negócios.

Averbar, nada mais é do que o ato de registrar de forma oficial uma decisão do poder público. Diferentemente do registro de um cartório, a averbação é a “oficialização” de uma sentença por parte do poder público, como a separação de um casamento, por exemplo.

Como estamos falando sobre o mercado de transporte, o significado é um pouquinho diferente. Aqui, nos referimos a declaração oficial da mercadoria em transporte, com todos os esclarecimentos sobre o embarque, a viagem, as especificações dos produtos, a quantidade e o valor. Essas informações são repassadas à companhia de seguros através de notas fiscais e das características das mercadorias.

Esses dados são primordiais para que toda a carga tenha a devida cobertura em caso de sinistro. Dessa forma, os prejuízos são minimizados, a gestão agradece e o cliente recebe o pedido esperado. Portanto, essa prática deve ocorrer antes do início da saída do veículo, já que alterações durante o embarque ou na entrega são desconsiderados em casos de imprevistos.

A averbação de cargas é um procedimento obrigatório segundo a legislação vigente. A Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) definiu que todos e qualquer embarque devem ser averbados antes da saída do veículo, que é acompanhado de uma rigorosa sequência numérica.

As formas de realizar o processo são duas: manual e eletrônica. A manual ocorre no site da seguradora e, em casos como a importação de produtos, esse registro é feito no Portal da Siscomex (Programa Portal Único de Comércio Exterior) através de um modelo de extração de dados.

O processo eletrônico é realizado a partir da integração dos dados do Sistema de Gerenciamento de Transporte (TMS ou Transportation Management System, no original), da transportadora e do sistema da seguradora. Hoje, há sistemas que permitem captura de dados direto na base do segurado e outros que permitem o preenchimento diretamente no sistema de emissão, seja em casos nacionais ou internacionais, para todos os modais (aquaviário, rodoviário, ferroviário e aéreo).

Como gestor, é fundamental estar ligado para evitar prejuízos e também localizar oportunidades para reduzir gastos. Transportar mercadorias envolve grandes custos logísticos, principalmente quando há um alto número de sinistro ou roubo de cargas em determinadas regiões. Portanto, compreender melhor o assunto possibilita maior controle e agilidade no mercado.